domingo, 17 de maio de 2015

O Grêmio é time de mulher.

É até ofensivo às mulheres colocar um titulo assim. Considerando que tem muita mulher por aí que joga “o fino da bola”, sê comparado ao que esses rapazes que vestem a camisa tricolor. É assim mesmo, podem ser chamados de tudo, menos “jogador de futebol”. Isso eles, absolutamente, não são.
            
Nos dois primeiros jogos do brasileirão, os adversários eram verdadeiros craques. Vi nos dois jogos eles fazendo aquele giro de 360 graus nos nossos rapazes (não são jogadores, lembram?). Não vejo e não sinto ninguém com a mínima vontade de tomar uma bola, pensar o jogo, imposição física, já que o futebol é um esporte de contato então, nem pensar. Acima de tudo, nesse grupo aí, falta uns dois xerifões, sabe? Aquele jogador tipo “faca nos dentes”. Isso.
            
Sou apenas um curioso no futebol, mas o treinador, já faz tempo, faz uma leitura dos jogos diversa do que a gente vê em tempo real na tv. Vejam ontem em Curitiba ele saca, talvez a nossa única jogada de qualidade na ala esquerda e mantem esse rapaz aí que, pode ser tudo, pessoa honesta, de família, gente boa mesmo mas, lhe falta o atributo principal que a torcida espera tanto, ou seja, jogar bola. Me desculpem os senhores, mas “ele”, não sabe, sequer, bater na bola. E a insistência com Felipe Bastos, esse já provou que é também muito gente boa, pessoa humilde, etc, etc... Mas não para estar vestindo a camisa tricolor. Qualquer guri da base, se der oportunidade vai dar um retorno melhor, então . . .
            
De longe, tem-se a impressão de que o treinador não consegue dar ou passar o entusiasmo necessário ao grupo e isso se reflete em campo, pois não ganhamos uma jogada no chamado “ombro-a-ombro”, perdemos todas as disputas mais acirradas no jogo, levamos um baile de qualquer pereba e, principalmente, todos os adversários perderam o medo e o respeito pela camisa tricolor.
            
Vou dizer novamente: não precisamos ganhar nada mas temos que ficar com a impressão, pelo menos isso, de que o time tinha vontade de ganhar. E nem isso estamos vendo, pois o que se vê é que parece que já entramos cansados, perdedores, abatidos, derrotados psicologicamente falando.
            
Desde de que o Felipão voltou, em apenas um jogo eu vi aquele nosso Grêmio verdadeiramente imortal. Foi no GREnal dos 4x1. Depois disso é apenas um bando de loucos e desorientados correndo num gramado, sem ambição nem para chutar de longe e tentar o gol.
            
Se continuar assim, certamente DEUS vai cansar, literalmente falando, de nos ressuscitar, retirando essa tão falada imortalidade e nos encaminhar para a serie B.
            
Esse será o nosso caminho se não mudarmos a atitude.

Autor: Guilherme Quadros
Email: gqkonig@hotmail.com