segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Ser ou não ser, fazer ou não fazer – eis a mais nobre das questões!!!

Parafraseando Shakespeare, hoje vivemos num mundo cheio de dilemas, opções e probabilidades, com essas tecnologias aflorando por todos os cantos e todos os dias, ditando os rumos dos novos tempos, colocando um sem numero de possibilidades ao simples toque das nossas mãos.
            
Essa parafernália toda instiga e encoraja as pessoas a novas atitudes, por exemplo, vivenciar novas experiências e tangenciar pelo, até então, desconhecido. Isso vale tanto na vida profissional quanto na vida particular de muitos.  
            
Vivemos dias de gloria, em uma nova ordem mundial, onde tudo, absolutamente tudo, é permitido e, ao menos, experimentado. Se vai vingar ou não, depende do gosto daquele freguês mas . . . ao menos uma vez é experimentado, exercitando o livre-arbítrio intrínseco em cada ser pensante e manuseando-o ao seu bel prazer.  
            
A parte menos expressiva e talvez a mais, visualmente falando, negativa em todo esse movimento modernista, esta em as pessoas confundirem liberdade de expressão com libertinagem de exposição. Alguns acham que podem tudo e maculam justamente a parte mais importante desse movimento todo e que todos podem usufruir, qual seja, a liberdade de poder fazer tudo aquilo que lhe satisfaça e cause bem-estar mas, sem ultrapassar a liberdade do próximo ainda que o próximo não esteja tão próximo assim.
            
Tem ficado a impressão de que liberdade em demasia, causa transtornos comportamentais na maioria das pessoas o que, de certo modo é devastador no contexto geral já que todos primam e querem usufruir dessa tal liberdade ampla, geral e irrestrita.

Autor: Guilherme Quadros
Email: gqkonig@hotmail.com